domingo, 23 de abril de 2017

ALGUMAS INVERDADES SOBRE A HISTÓRIA DE SENADOR SÁ

Você já deve ter ouvido muitas histórias sobre a história de Senador Sá, muitas dessas inclusive para pessoas mais esclarecidas, até hoje ainda são verdade absolutas.
Todavia, hoje o correio Senadorsaense desmancha algumas delas para você não mais errar quando falar da história de Senador Sá, confira:

1º - “O livro 'O Poder das Amarras' é o livro que conta a história de Senador Sá!”
Mentira. O livro de autoria de Ésio de Sousa, filho de Senador Sá é uma ficção, isso consta no próprio livro. O enredo do livro é basicamente a trajetória de vida do autor, personificada no personagem Ângelo, onde o escritor usa a Pitombeiras (local onde viveu parte de sua infância) como pano de fundo (cenário) para sua ficção.
2ª – “O Município de Senador Sá foi elevado à categoria de cidade em 1957, até então, chamava-se Pitombeiras distrito de Massapê”
Não é verdade. O distrito de Pitombeiras legalmente só existiu de 1920 a 1938, ou seja, 18 anos. O município de Senador Sá ante de ser elevado à categoria de cidade, já era distrito com o mesmo nome (Senador Sá), a mudança do nome de Pitombeiras para o nome que ainda se usa atualmente aconteceu em 1938, em homenagem ao político Francisco Sá.
Mapa Falso
3ª – O município de Senador Sá faz fronteira com o município de Camocim.
Equívoco. É comum encontrar documentos com ilustrações de mapas (conforme este acima) que mostram Camocim como sendo limite de Senador Sá, no entanto isso é um equívoco, os municípios que fazem fronteira com o município de Senador Sá são: Granja (parte onde é confundido com Camocim), Marco, Morrinhos (só uma pontinha toca o município), Santana do Acaraú, Massapê, Moraújo, Uruoca e Martinópole.
Fonte: Correio Senadorsaense. Matéria escrita por Robson Yguana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é seu, pode comentar!