quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

AOS LEITORES: INFORMAÇÃO. O PAPEL DO JORNALISMO

“Eu acho que os jornalistas precisam, antes de tudo, ter humildade e autocrítica”, opina Pedro Burgos, editor do site The Marshall Project, creditando parte da responsabilidade no cenário de informações deturpadas aos profissionais de imprensa. A pressão por escrever mais reportagens, “mais superficiais, sem o tempo para checagem dos fatos”, a promoção de manchetes sensacionalistas que não entregam o que a matéria descreve, o uso excessivo de fontes anônimas ou de partes interessadas são realidades que, segundo ele, contribuíram para que 2016 fosse um ano de meias verdades.
“Há muita pós-verdade no jornalismo diário, há muito tempo”, afirma Burgos, propondo uma inversão na métrica do sucesso empresarial: ao invés de se preocupar com o número de cliques ou jornais vendidos, o importante seria avaliar o impacto real das reportagens. Essa troca de propostas aparece como uma das saídas para a perda de credibilidade que os grandes veículos - assim como instituições medulares como Igreja e Governo - vêm enfrentando.
Rogério Christofoletti, professor da UFSC e coordenador do Observatório da Ética Jornalistica, acredita que é fundamental para os jornais buscar formas de reatar o antigo pacto com seu público. “As pessoas não confiam tão cegamente nos meios de informação como confiavam antes. Os cidadãos agora podem comparar versões e perceber erros ou distorções nos relatos”, afirma.
Christofoletti também critica a postura “paternal e até mesmo arrogante” de algumas redações, atitude que não combina com essa tentativa de repactuação. “Quando os públicos passaram a ter acesso a fontes que antes não tinham, perceberam que às vezes podem prescindir de intermediários, e o jornalismo sempre atuou como intermediário”, afirma ele, avaliando que um resgate de confiança pode partir de dois pontos: diálogo e transparência.
E muito pode ser apreendido das redes sociais antes de vê-las como vilãs universais no processo de descrença com o jornalismo - desde que este não tente emulá-las. “Os públicos querem atenção, desejam participar, querem ser ouvidos. O jornalismo pode usar as redes como recursos dessa aproximação, traçando estratégias para engajar as audiências, dialogar com elas. Isso diz respeito a relacionamento”, explica.
Mas nem tudo está perdido para os grandes jornais. Após a vitória de Trump, os maiores veículos dos Estados Unidos registraram inesperada alta no número de novos assinantes. O The New York Times ganhou 41 mil novos subscritos na semana seguinte à eleição do republicano, e o The Wall Street Journal viu sua quantidade de novos assinantes diários dobrar. “A lógica é que pra basicamente metade da população, um jornalismo combativo seria ainda mais importante durante o mandado de Trump. Essas pessoas confiam bem mais no jornal do que no político”, avalia Burgos.

Quando se fala de transparência e relacionamento como elementos para o resgate da confiança, também vêm à tona outras experiências da grande mídia. A BBC, por exemplo, não se furta a explicar ao seu público que não detém a totalidade das informações sobre determinados fatos. Não é difícil ver, durante coberturas, repórteres assumindo que ainda estão em processo de investigação. O The Guardian, por sua vez, disponibilizou recentemente um banco de dados feito a partir dos comentários de seus leitores.
2016 chega ao fim como o ano em que nem tudo o que parece é, em que o que reluz nem sempre é ouro. Se enfrenta sua maior crise, o jornalismo também tem pela frente um sem fim de oportunidades para provar sua relevância -que, como concordam os especialistas, é cada vez maior. O papel da profissão e do profissional não mudou, ainda é o de informar bem e com responsabilidade. “Devemos insistir em mostrar que o jornalismo continua a ser um fator determinante para que as pessoas entendam seu tempo e para que possam tomar suas decisões de forma mais segura”, conclui Christofoletti.
“Se enfrenta sua maior crise, o jornalismo também tem pela frente um sem fim de oportunidades para provar sua relevância ”
Rogério Christofoletti, Coord. Observatório da Ética Jornalística.



Via Jornal O Povo Online.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é seu, pode comentar!